segunda-feira, 19 de abril de 2010

EMTU/SP realiza audiência pública do projeto SIM – Sistema Integrado Metropolitano para a Baixada Santista



A Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos – EMTU/SP realizou, nesta segunda-feira, 12, audiência pública do projeto SIM – Sistema Integrado Metropolitano, que irá reestruturar o transporte público na Baixada Santista.
imagem1_2
O projeto inclui o Metrô Leve (VLT) para a região.
Estiveram presentes cerca de 300 pessoas no auditório da Universidade Católica de Santos – Unisantos. A mesa foi composta pelo Secretário Adjunto da Secretaria dos Transportes Metropolitanos e Presidente da EMTU/SP, João Paulo de Jesus Lopes, pelo Chefe de Gabinete, Michael Sotelo Cerqueira, pelo Diretor de Operações, Eraldo Rett e Coordenador do projeto SIM, Sílvio Rosa.
A modelagem econômico-financeira do SIM foi aprovada, em março, pelo Conselho Gestor das PPPs (Parcerias Público-Privadas). Sua implantação será viabilizada por meio de uma concessão patrocinada pelo prazo de 25 anos, com investimento estimado em R$ 688 milhões.
A publicação do Edital de Concessão do SIM, que inclui o Metrô Leve, está prevista para até o final deste semestre. O projeto ficará disponível para consulta pública até o dia 14/05, no endereço eletrônico: http://www.emtu.sp.gov.br/audiencias.
O trecho da primeira etapa do Metrô Leve, entre Barreiros, em São Vicente, e o Porto de Santos (Estuário), terá uma extensão de 11 km e transportará cerca de 45 mil passageiros/dia útil, dos 220 mil passageiros/dia útil previstos para o SIM como um todo.
O contrato com a empresa vencedora da licitação deverá ser assinado no final deste ano. O concessionário terá dois anos de prazo para execução das obras de implantação do Metrô Leve e início de sua operação. A frota prevista para atendimento do trecho é de 12 veículos de 44 m de comprimento. Cada veículo tem capacidade para 400 passageiros.
Objetivos do projeto
O Metrô Leve faz parte do SIM – Sistema Integrado Metropolitano, cujo objetivo é reestruturar o sistema de transporte público na Baixada Santista com a racionalização de linhas de ônibus.
Esse sistema consiste num tronco de transporte de média capacidade, a ser operado pelo Metrô Leve, integrado com linhas de ônibus intermunicipais, municipais e ciclovias. Sua infraestrutura compreende estações terminais e de transferência, pontos de parada e ciclovias. Todos os espaços contarão com total acessibilidade.
Foi desenvolvido para atender ao crescimento projetado da demanda na RMBS, em função do conjunto de investimentos previstos para a região, que se constitui em polo turístico e de negócios portuários e petrolíferos.
Ônibus
Os ônibus intermunicipais, que farão parte do SIM, serão integrados aos 11 quilômetros de Metrô Leve, proporcionando mobilidade à população de toda a Região Metropolitana da Baixada Santista (Santos, São Vicente, Guarujá, Praia Grande, Peruíbe, Bertioga, Cubatão, Mongaguá e Itanhaém).
Para modernizar a frota de ônibus, o SIM contará com investimento de R$ 286 milhões. Já para construir o Metrô Leve, o valor é de R$ 402 milhões, totalizando o montante de R$ 688 milhões para implantação de todo o projeto.
Benefícios do Metrô Leve (VLT)
O transporte de média capacidade do tipo Metrô Leve (VLT) oferece inúmeros benefícios às cidades, como:
- Transporte moderno, com melhores condições de conforto.
- Redução das poluições sonora e do ar.
- Redução dos congestionamentos.
- Redução dos tempos de viagem.
- Requalificação do entorno da faixa ferroviária.
- Maior atratividade para os usuários.- Investimento com alta rentabilidade socioeconômica.
- Impacto energético: 2,6 vezes menos energia que os ônibus e 5,4 vezes menos que o automóvel.
- Maior eficiência no uso do espaço urbano.
- Eliminação da barreira física representada pela faixa ferroviária.
Operação do Metrô Leve (VLT)
O Metrô Leve opera de forma integrada à cidade e elimina os obstáculos oferecidos pelo sistema das linhas férreas tradicionais. Ele não requer muros para segregar suas vias e seu tempo de interrupção do tráfego urbano durante a passagem de um veículo (entre 9 e 10 segundos) é bem menor em relação ao sistema anterior de trens de carga.
Os semáforos das vias do Metrô Leve serão controlados eletronicamente. Permanecerão abertos para o trânsito, fechando apenas quando o VLT se aproxima do cruzamento, reduzindo congestionamentos em horários de pico. O tempo de parada do VLT nas estações é de 20 segundos, suficiente para o embarque e desembarque, considerando a demanda estimada.
Expansão São Paulo
A implantação do SIM, integrando as linhas intermunicipais ao Metrô Leve (VLT) na Região Metropolitana da Baixada Santista, faz parte do Expansão SP, plano em que o Governo do Estado está investindo R$ 21 bilhões até o final de 2010 com o objetivo de ampliar, modernizar e integrar a rede de transporte público nas três regiões metropolitanas.

EMTU/SP
Assessoria de Imprensa